segunda-feira, 30 de julho de 2012

Deus como abstração, concretude, absurdo e impossibilidade.

  Antes de qualquer interpretação, observe o real significado de Abstração, Concretude, Absurdo e Impossibilidade. Não há aqui nada contra Deus, sua existência e a plausibilidade da mesma, pelo contrário, adiante há uma explicação que dá mais plausibilidade (pelo menos filosófica e um pouco empírica) da existência do Deus Cristão. Outra importante observação é a seguinte; Cristianismo como Filosofia Espiritual, não como Religião.
   Abstração é algo não concreto (logicamente) porém é tangível, diferente da Impossibilidade, que é abstrata em forma e não concreta em essência, ou seja, é intangível.  A Concretude de algo não depende de seu estado idealmente físico ou fisicamente físico (em primeira vista parece redundante, mas há uma diferença. Sentimentos, por exemplo, são fenômenos espirituais e físicos. Em parte são idealmente físicos, quando se tratam de mudanças mentais, e em parte são fisicamente físicos quando se tratam de suas consequências biológicas.) Absurdo, ao contrário do que se está acostumado a pensar, é aquilo que é abstrato mas não é impossível. O fato de algo ser absurdo não implica no fato de sua impossibilidade, implica apenas no fato de sua intangibilidade limitada ou temporalmente ou espiritualmente, ou mesmo, as duas coisas.
   Um último conceito deve ser esclarecido; O conceito de Religião. Compreenda que Religião não é uma filosofia, mas um estado natural do Homem de ligação com o que ele chama de "inexplicável sobrenatural"
    O primeiro passo para entender a essência de Deus, Tao, Bhrama, Alá ou qualquer outro nome para o Deus supremo é entender que não podemos compreendê-lo pelo fato d'Ele ser infinito. O Homem jamais entenderá o infinito porque ele mesmo não é infinito. O finito é parte do infinito, mas não é sua totalidade. O Ser Humano não tem a consciência infinita, a não ser por ser infinitamente duradoura, mas não infinitamente ciente. Para compreender Deus é preciso ser infinito e para isso é preciso aceitá-lo nesta condição. A presunção típica da nossa raça é um dos fatores, se não o maior deles, que impedem a compreensão disso.
   Enquanto o Homem achar que é Deus por ter apenas o simples poder de criação, estará sempre limitando-se e com isso impossibilitando a si mesmo de se harmonizar e entender a existência de Tao. É preciso também compreender que Deus existe independente da vontade Humana e que não deixará de existir por causa da vontade de que ele não exista. Assim também funciona com o Mal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário