sexta-feira, 11 de maio de 2012

Filosofia Espiritual X Ateísmo.

    Aí vai um tipo de desabafo: Há 21 anos peço uma simples explicação para as pessoas; "Poque não posso explicitar verdade alguma? Porque me condenar e dizer que imponho minha verdade se você quer me impor a sua?" É o caso dos ateus. Não tenho nada contra ateus. Sinceramente, pouco me dou ao trabalho de discutir com alguém que nem ao menos leu metade do livro que defendo. Ateus falam mais de religiões do que de Deus. São revoltados com as práticas dos líderes RELIGIOSOS, não as de Deus. Por isso, fico muito complicado encontrar um argumento, pois não sigo religiões ou doutrinas, sigo uma linha filosófica de vida e de conceito moral estabelecido em valores sólidos que me permitam viver e ter meus momentos de prazer, sem que tenha que incomodar ao próximo ou desgraçar meu organismo e minha vida.
   Me pergunto também porque eu, como um Ser Humano crente em forças maiores, tenho que ler, ver, ouvir e passar por todo tipo de inquisição acerca da minha crença, e porque tenho que ouvir toda santa semana que Deus não existe ou que é psicótico? Eu não cito a psicose de certos grandes ídolos ateus, nem vivo de todo dia pôr alguma coisa nas redes sociais discriminando ateus, atacando-os de qualquer modo, ou alegando veementemente que são um bando de retardados retrógrados com megalomania intelectual, auto-defensivos e instáveis, como já vi falarem de pessoas que seguem uma linha filosófica "religiosa".
   Meus caros, me poupem de ouvir sempre o mesmo argumento vindo de quem nunca leu nem o Gênesis. Vivem de dizer que um cristão acredita em tudo que lê na Bíblia. Ótimo, acreditamos mesmo, mas vocês, do mesmo modo que nós temos fé na Bíblia, vocês tem fé na ciência. Ciência é sempre mutável, é instável e vive de tentativas e erros. A Filosofia Cristã está estável há alguns mil anos...
   Parem de usar partes da Bíblia, que leram de algum outro ateu, e dizer que aquilo é uma prova de erro. Antes de lançar um argumento desse tipo, por favor, leiam toda a parte, pois tirar um trecho e tirar do contexto é mais fácil do que roubar doce de criança. Querer argumentar cientificamente inteligentemente e genialmente, como se auto-intitulam a grande maioria dos  ateus, significa não somente usar seus argumentos de modo sábio, trata-se também de aceitar que fatos contrários podem ocorrer. Não é isso que vejo. A ciência provou centenas de vezes as veracidades de inúmeros fatos bíblicos. A própria bíblia é fonte histórica. Mas espere? Se pode-se usar a bíblia para provar a veracidade de fatos científicos dito irrefutáveis, porque não posso usar o mesmo livro para provar que estou certo também? Observe que falei "também", ou seja, nunca discordei de vários fatos científicos, sejam esses tirados da Bíblia como fonte ou não.
   Ateus podem denegrir, segregar, ofender, atacar e desrespeitar a Fé e os Mestres dos que possuem um. Este argumento é irrefutável. Quando praticam atos assim, dizem que é um "brincadeira" ou uma"argumentação racional" (Argumentação digna de um coelho com retardo.) Agora, invertendo a situação, olhando pelo lado dos espiritualistas e outras vertentes, quando praticam qualquer desses atos, mesmo quando por descuido, é como se o mudo acabasse. Ateus não aceitam serem refutados, nem aceitam quando uma de suas provas são mais provas da existência de uma força maior do que para a inexistência desta. Há livros e mais livros com provas científicas irrefutáveis de inúmeros fatos citados na Bíblia, provando sua veracidade, como já havia dito antes. Mas incrivelmente, esses livros não são válidos como argumentos a favor da Filosofia Espiritual, não, não, jamais!
   Observem, meus amigos, que a Ciência deixou de procurar fatos e verdade, parou de procurar novidades para ocupar-se unicamente de desmentir a Bíblia. Boa parte de pesquisas iniciadas, principalmente nas ciências humanas, dedicam-se a tentar provar (Inutilmente, diga-se de passagem) a inexistência de Deus. Todos os dias são lançados livros contra os argumentos cristãos e todos esses livros começam com argumentos refutáveis e terminam com argumentos irracionais ou sem nexo.
   Me pedem para provar a existência de Deus pelo menos uma vez por mês, virou rotina pra mim. Antes de mais nada digo; Pra vocês eu sou um louco, para mim vocês são cegos. Este texto não se trata de buscar argumentos científicos nem nada do tipo, para isso se faz um livro. Aqui pergunto o porque da fragilidade dos ateus? porque o incomodo com um indivíduo que acredita que nada é obra do acaso? Pra que querer, usando metade do tempo de suas vidas, modificar a ideia do seguidor de Filosofias Espirituais? Lembro-me que certa vez deixei uns trechos bíblicos pouco conhecidos, escritos em meu caderno.  Diziam o seguinte: " Quem pode entender os próprios erros? Expurga-me tu dos que me são ocultos." "Não se inquiete pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã se cuidará por ele mesmo. Basta a cada dia o seu problema." e "Nós, que somos fortes, devemos suportar as fraquezas dos fracos e não agradar a nós mesmos." Não coloquei a referência de nenhum desses trechos. Todos os que liam, inclusive os ateus, achavam os trechos grandes verdades, copiavam e toda aquela coisa... Para alguns nunca falei de onde tirei o trecho, para outros falei e não obtive resposta. Foi aí que resolvi pôr as referências; respectivamente: Salmos: 19, 12. Mateus 6, 34 e Romanos 15, 1. Agora a reação era bem diferente. Quando viam a referência não se davam ao trabalho nem de ler um palavra do texto!
  O que posso inferir disso? Que o problema não é a palavra da Bíblia, é a mente de quem lê. É o incomodo que causa o nome de Deus, de Bhrama, Tao, Alá. Este incomodo também é bíblico.
  Antes do monte de críticas que devo receber ( e olhe que nem comentários recebo.) Observem que não falei das religiões e observe também que generalizei o ateísmo, assim como os ateus generalizam o cristianismo através da igreja católica e dos pastores bandidos. Lembrem-se que gente ruim tem em todo canto. Stálin era ateu e Hitler simpatizava com o catolicismo. Todos os dois mataram pessoas e fizeram guerras.