sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Aleatoriedades.

Não tenho mais tempo para nada. Se já não havia antes, agora então nem se fala. Ando cansado e sem esperanças. Talvez o fato de não ter esperança seja melhor, afinal, esse é um dos piores males. Não tenho amores sólidos, não tenho perspectiva disso, não tenho vontade nem de sair de casa, não tenho dinheiro para sair de casa e não tenho motivos ótimos para isso. Decidi fazer o que tenho de fazer se e somente se houver um ótimo motivo para fazê-lo.

Não tenho nada, mas o que tenho acho que é suficiente. O fato de não ter pode também ser visto como o fato de ter, afinal ], as duas coisas são muito semelhantes quando se trata de uma concepção mais metafísica do que se tem ás mãos no momento. Agora eu não tenho nada as mãos, a não ser a vontade de ser mais egoísta ainda, isso protege a gente de qualquer coisa ruim. Infelizmente protege das coisas boas também, mas tudo tem um preço a se pagar, principalmente quando se trata da nossa sociedade consumista, imediatista, promíscua, mercantilista, insensível e superficial.

Não quero mais viver dessa ditadura de felicidade onde só serei feliz se tiver mil mulheres e um carro importado. nunca vi sentido nisso porque para mim basta uma mulher pra vida toda, um violão, um caderno e uma caneta. Um vinho também cairia bem. Decidi escapar dessa atrocidade com o futuro e desaparecer da vista de todos. Não por timidez, vergonha, não, nada do tipo. Seria por ódio, iria me restabelecer para depois voltar, ficar em paz. Preciso voltar a meditar, preciso para de acumular informações e passar a produzi-las novamente. Não tenho tempo pra isso. Acabarei virando um cachorro pavloviano.

Sabe. concordo plenamente com Vanessa Ísis, pratico algumas ideias dela. Adotei uma (reformulada) do meu mundo único. Fazia tempo que não visitava meu próprio mundo, então, essa é a chance de fazê-lo, afinal , ele está um caos porque não tem governante. O governante se foi e demorou anos para voltar.

Ando no modo automático, por tanto se alguém falar comigo e eu não responder, não se preocupe, estou na carcaça robô.

Deu para perceber que pretendo sumir, usar as técnicas do Belchior... "Misantropiar"  um pouco e depois fingir que nunca fui. Manterei contato com 3 pessoas que não sabem disso, e vou me divertir com isso. É maquiavélico mas é necessário.

Enfim, fim.

Au Revoir!

Rammstein - Amour



Die Liebe ist ein wildes Tier
Sie atmet dich, sie sucht nach dir
Nistet auf gebrochenem Herz
Und geht auf Jagd bei Kuss und Kerzen
Saugt sich fest an deinen Lippen
Gräbt sich dinge durch die Rippen
Lässt sich fallen, weiss wie Schnee
Erst wird es Heiss, dann Kalt, am Ende tut es weh


Amour Amour
Alle wollen nur
Dich zähmen
Amour Amour
Am Ende
Gefangen zwischen deinen Zähnen


Die Liebe ist ein wildes Tier
Sie beißt und kratzt und tritt nach mir
Hält mich mit tausend Armen fest
Zerrt mich in ihr Liebesnest

Frisst mich auf mit Haut und Haaren
Und wirbt mich wieder aus nach Tag und Jahr
Lässt sich fallen, weich wie Schnee
Erst wird es Heiss, dann Kalt, am Ende tut es weh

Amour Amour
Alle wollen nur
Dich zähmen
Amour Amour
Am Ende
Gefangen zwischen deinen Zähnen

Amour Amour
Alle wollen nur
Dich zähmen
Amour Amour
Am Ende
Gefangen zwischen deinen Zähnen

Die Liebe ist ein wildes Tier
Sie atmet dich, sie sucht nach dir
Nistet auf gebrochenem Herz
Und geht auf Jagd bei Kuss und Kerzen
Frisst mich auf mit Haut und Haaren
Und wirbt mich wieder aus nach Tag und Jahr
Lässt sich fallen, weiss wie Schnee
Erst wird es Heiss, dann Kalt, am Ende tut es weh

Amour Amour
Alle wollen nur
Dich zähmen
Amour Amour
Am Ende
Gefangen zwischen deinen Zähnen

Die Liebe ist ein wildes Tier
In die Falle gehst du ihr
In die Augen starrt sie dir
Verzaubert wenn ihr Blick dich trifft

Die Liebe
Die Liebe ist ein wildes Tier
In die Falle gehst du ihr
In die Augen starrt sie dir
Verzaubert wenn ihr Blick dich trifft

Bitte Bitte, geb' mir Gift
Bitte Bitte, geb' mir Gift
Bitte Bitte, geb' mir Gift
Bitte Bitte, geb' mir Gift


Tradução:



O amor é um animal selvagem
Ele te respira ele te procura
Ele se aninha sob corações partidos
E vai à caça quando há beijos e velas
Ele chupa com força nos seu lábios
E cava túneis entre suas costelas
Ele cai suavemente como neve
Primeiro ele fica quente então frio por fim ele machuca


Amor Amor
Todos só querem
te domar
Amor Amor
no final
Pego entre seus dentes


O amor é um animal selvagem
Ele morde e arranha e caminha em minha direção
Ele me segura com força com mil braços
E me arrasta para dentro de seu ninho de amor


Ele me devora completamente
E tenta me regurgitar depois de muitos anos
Ele cai suavemente como neve
Primeiro ele fica quente então frio por fim ele machuca


Amor Amor
Todos só querem
te domar
Amor Amor
no final
Pego entre seus dentes

Amor Amor
Todos só querem
te domar
Amor Amor
no final
Pego entre seus dentes


O amor é um animal selvagem
Ele te respira ele te procura
Ele se aninha sob corações partidos
E vai à caça quando há beijos e velas
Ele me devora completamente
E tenta me regurgitar depois de muitos anos
Ele cai suavemente como neve
Primeiro ele fica quente então frio por fim ele


Amor Amor
Todos só querem
te domar
Amor Amor
no final
Pego entre seus dentes


O amor é um animal selvagem
Você cai na armadilha dele
Ele te encara nos seus olhos
Fascinado quando a contemplação dele o atinge


O amor
O amor é um animal selvagem
Você cai na armadilha dele
Ele te encara nos seus olhos
Fascinado quando a contemplação dele o atinge


Por favor por favor me dê veneno
Por favor por favor me dê veneno
Por favor por favor me dê veneno
Por favor por favor me dê veneno