quinta-feira, 15 de julho de 2010

Coisa confusa!

   A gente percebe... Percebe de longe o absurdo das confusões desse novo mundo, dessa era líquida e dessas ideas construídas na areia, percebe a facilidade com que elas se vão e a facilidade com que elas chegam. Tudo isso acho que todos nós sabemos mas o que ninguém vê é que isso causa alguns traumas em uns, feridinhas em outros, cria novas raivas e novos preconceitos. Isso ajuda a trazer confusão.
   É que é interessante como as pessoas confundem as coisas, como as pessoas costumam confundir e sempre achar que estão certas sem abrir uma brecha se quer para a certeza dos outros. Está aí um bom começo pra isso; O orgulho. As pessoas confundem orgulho com personalidade e não com componente, confudem o execesso dele com certeza e firmeza. Orgulho é bom até a metade das canelas, passando disso, o tubarão cabeça-dura devora.
   Teimosia é uma coisa a mais, esse aí as pessoas confundem com orgulho, pensam que manter uma posição mesmo sendo ela errada e perigosa é prova de que se tem orgulho de si mesmo e que assim está tendo personalidade. É cair degraus em confusões. Teimosia é bom em doses homeopáticas, teimoso é aquele que tenta e tenta até conseguir, é aquele que mesmo com milhões dizendo que vai dar errado ele mantém sua palavra e forças para fazer dar certo por mais que isso vá demorar.
   E que dirá o clássico Amor! Este é confundido sempre com possessão ou paixão. Pensam que amar é fazer sexo ou ter 24 horas do dia a pessoa ao seu lado. Pensam que brigar é falta de amor, mas é na hora da briga que o amor se mostra mais forte! É na hora da dureza, da parte ruim da vida que o amor se mostra de verdade. Amor não mata, é evidente! o problema é que ele dói, mas é aquela dor de quem não quer ver o mal nem o fim. Sabe amar aquele que defende com unhas e dentes não aquele que devora com unhas e dentes.
   Liberdade é diferente de permissividade assim como conceito moral é diferente de ideologia. Há quem viva dizendo que não tem liberdade para nada. A liberdade que querem por aí é a de usar todo tipo de droga e fazer a maior orgia possível sem que isso seja repreendido por nionguém, sem ter que prestar contas a nenhum igual. Pois é a permissividade, tanto da lei quanto da moral. Liberdade é ter poder, é saber usar a permissividade para o seu deleite sem ferir o espaço alheio e quem sabe, até ajudando o alheio.
   Conceitos morais sofrem com o preconceito desmerecido. Dizem que conceitos morais devem mudar e que quem os tem são tolos ou retrógrados, são esses que pensam deste jeito que pensam que conceito moral é tão mutável quando ideologia. Conceitos morais não mudam de formas, mudam apenas de Ângulo e não são tolos... pelo contrátrio, são tão complexos e profundamente ligados á boa convivência, até mesmo a convivência espiritual, que são poucos os que conseguem seguir, por isso, a maioria que nunca tentou ou que é fraca por algum motivo, chama de inútil aquilo que ela não entende ou não consegue acompanhar, coisa típica do ser humano.
   Ideologia é diferente, ideologias mudam, criam-se novas, seguem a cultura, o que não acontece com o conceito moral que não fere nem mata, ao contrário das ideologias. Um bom exemplo de confusão ideológica foram as cruzadas e quem sabe até o movimento Marxista. Ideologias seguem-se hoje e esquecem-se amanhã, talvez elas voltem, talvez não...
   São tantas coisas a se tratar que não valeria a pena continuar, até porque sempre haverá alguém que nao entederá nem metade disto e vão xingar, espernear, agredir, ofender, ser do contra, se meter e questionar. Pessoas tem preguiça de raciocinar e raiva de aceitar algumas verdades e raiva de quem as mostrou e dos que seguem ou simplesmente aceitam alguma verdade. Não sei se o que foi dito é verdade, mas pelo menos para a maioria será, mesmo que seja apenas uma meia verdade. Esta raiva não é um erro tipicamente humano.

Os 10 Piores Serial Killers da História - Gilles de Rais (+ 140 )

                         2º Gilles de Rais (+ 140)

    Gilles de Montemorency, Gilles de Rais ou Gilles de Retz foi herói de guerra francês, lutou junto á Joana D'arc no século XV, na guerra dos cem anos (Inglaterra X França) e era expert em tirar Ingleses da França. O alvo preferido de Gilles eram os meninos, ele os sodomizava, decapitava-os e depois masturbava-se sobre as entranhas das vítimas.
    Era um homem agressivo devido a sua criação dada pelo seu tio Jean Creon, irmão de sua mãe, que o ensinou o narcisimo, o orgulho e soberba. Devido a essa característica, Gilles entrou no exército onde poderia descontar sua fúria nos inimigos. Após duas campanhas ele se casou com Catherine, que era uma nobre da Bretanha, em 1420. Em 1429 nasce a primeira e única filha do casal, Marie mas Gilles dizia que não amava a esposa. Patriu para mais uma campanha onde lutou com Joana D'arc.
    Tudo acabaria em 1440 quando uma investigação levou até Gilles de Rais, que no início de dizia inocente dando a desculpa de que mandava as crianças desaparecidas para a Inglaterra para virarem padres. Depois de um surto de personalidade (que sempre tinha) disse estar arrependido. A frança ficou chocada pois ele era considerado um herói pelo povo.
    No dia 26 de outubro de 1440, Gilles e seus "colaboradores" (queera "bruxas" e alquimistas) foram enforcados e queimados simultaneamente.