quarta-feira, 19 de maio de 2010

Rebeldes sem causa. 1º Parte


Uma das primeiras crônicas da série fixa "Colisão e Colapso".

   O bar Plauta's ficava lotado de jovens ás sextas feiras á noite. O barulho era alto e as orgias eram uma prática banal no recinto, quase uma regra comportamental. O bar ficava no meio de uma vizinhança onde a maioria repudiava esse tipo de coisa, muitos trabalhavam e ao final do dia queriam apenas a paz e o conforto de um travesseiro e alguns lençois. Esse era o caso de Dex, um jovem responsável e trabalhador.
   Dentro do bar acontecia de tudo, desde de pirotecnia até sexo explícito á três ou mais, as bebidas pareciam inesgotáveis e os fígados de quem as bebia, em quantidade absurda, parecia ser indestrutível. Arven era uma moça que adorava esse tipo de coisa. Numa noite singular, onde sua chama sexual ardia mais do que nunca e sua sede por álcool era insaciável, ela resolveu dar um pulo no Plauta's para estabilizar seus hormônios do melhor modo que encontrou; sexo e álcool. Arven era virgem, embora gostasse do ambiente devasso, queria sexo com um bom rapaz.
   Era tarde e o barulho era insuportável. Dex estava destruído e mal conseguia pregar os olhos. O barulho era tão intenso que fazia tremer as janelas de seus quarto. Com os tímpanos em frangalhos e o corpo pior ainda, Dex desceu de seu apartamento e foi até o bar. Chegando na porta avistou um grupo de jovens que estava chegando. Porcurando quem era o líder da horda, avistou uma jovem com cabelos longos e coloridos apenas em um lado da cabeça, piercing no rosto, calça preta muito apertada e seios quase exposto, esmagados pelo sutiã muito apertado, pensou: "Ela é a líder!". Se aproximou e disse:
- Querem por favor parar com esse barulho? ou será que terei que chamar a polícia para acabar com suas orgias?
Ao que a jovem loira cheia de piercings respondeu:
- Calma tio!, tá estressado? vem curtir ué? se não pode com eles, junte-se a eles!
 Indignado mais com o termo "tio" do que com a resposta em si, Dex entrou a toda no bar, enquanto a jovem, com medo de que o rapaz conseguisse acabar com festa, correu atrás dele. Encontrando-o e segurando-o pelo braço ela perguntou
- Calma! qual é seu nome, cara? -e ele respondeu:
- É Dexton e não me chama de tio! sua porta alfinetes, tenho quase sua idade!, 19 anos!
- Ih! porta alfinetes, é, velhote? quem desdenha quer comprar! bem que você queria um porta alfinete desses em sua casa, mas acho que você não tem "taco" nem "potência" pra isso... se é que você me entende...- Respondeu a jovem com um pouco de surpresa e audácia.
 Com raiva e com os nervos mais a flor da pele do que já estavam, ele pergunta para a jovem:
- É mesmo? e qual é seu nome, senhora tesão?
- É Arvem, tio - Ela responde com desdém e frizando bem o termo "tio".
Com muita rapidez ele a puxa pelo pescoço e a beija intensamente.

Autor: Hugo Belmonte