sábado, 18 de dezembro de 2010

Pensar por si só.

   Um erudito é diferente de um sábio pensador ou de um filósofo. Ao contrário do que pensam, não é uma convenção moderna dizer que um sábio, um erudito e um estudioso tem a mesma característica, esta não é verdade. O seus conceitos se confundem.

   Erudito é um indivíduo que lê bastante, tem muita informação mas não necessariamente tem instrução ou sabedoria. A maioria deles reproduz o que outros já disseram, baseiam suas ideias nas mesmas trilhas já desbravadas pelos antigos e por outros que pesaram por si só. É como disse um velho sabichão: "Alguns lêem tanto, que nunca serão lidos.".
   Vale mais aquele que pensa mais. Quem pensa mais, consequentemente produz mais. Ler muito não é bom assim como não ler nada tambeém não é bom. Ler é mais aproveitável quando nossos prórpios pensamentos esgotaram e então necessitamos de alguma fonte para saciar nossa curiosidade ou mais material para ponderarmos sobre outro ponto de vista. É como prática e teoria.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Os 10 piores Serial Killers da história - Dr. Jack Kevorkian.

                                          4º  -   Jack Kevorkian - Dr. Morte.




    Era o "Doutor Morte" nos EUA, Nasceu em Pontiac, Michigan em 26 de Maio de 1928. "Dr. Death" se tornou conhecido por lutar a favor do suicídio assistido, vendo isto como direito de todos. Criou a "Máquina de suicídio", com a qual ajudou mais de 130 doentes terminais a dar um fim em seus sofrimentos.
   De certa forma não dá para considerá-lo um serial killer, afinal, as vítimas o procuravam para que com a tal máquina de suicídio, conseguissem descansar em paz. A Suicidal Machine liberava um série de drogas no corpo fazendo o "cliente" morrer sem dor e devagar. O paciente que inaugurou a S.M foi a Sra. Janet Adkins, ela tinha 54 anos e sofria do Mal de Alzheimer. Logo após isso, um juiz de Michigan indiciou Kervorkian.
   Em 1999, Kevorkian enfrentou acusações de homicídio em vez de suicídio assistido. No julgamento ele insistiu em se defender pessoalmente, dispensando o advogado que o tinha defendido em casos anteriores. Kevorkian ficou sem argumentos depois que o juiz decidiu que o irmão e a viúva de Thomas Youk, um de seus  pacientes, não serviam como testemunha.
   Jack Kevorkian foi condenado a simples 25 anos de prisão. Ganhou liberdade condicional em 2007 por causa de sua idade avançada.
   A história de Kevorkian foi ao cinema em 2005 e Al Pacino fez o papel do Dr. Morte. O nome do filme é "You don't know Jack", "Dr. Morte", aqui no Brasil.
   Jack confessa ter ajudado 130 pessoas a praticr suicídio, mas insiste em dizer que não matou niguém diretamente.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

A Massa da Democracia.

   Democracia ás vezes torna-se um problema, principalmente quando se mora num país chamado Brasil. È verdade que em todo país a democracia pode se tornar um problema.
   Na Democracia, a maioria é que tem o poder de escolha. Um ótimo conceito, o mais justo até agora. O que traz o defeito é que a maioria não tem instrução. No caso, a nivelação de um país, pode ser por baixo. O povo ganha não porque é mais instruido e soube escolher mas porque é a maioria e esta maioria é incrivelmente manipulável. Comprar votos é muito fácil, manipular uma mente que desde cedo vem sofrendo uma descarga de informaçãoes manipuladas com o intuito de conseguir dominar a ideologia da maioria do país para que futuramente seja usada para proveito próprio. Isso tem um nome: Massa de manobra.
   A receita de uma massa dessas é bem fácil. Começa tudo com uma máquina de propagando que custa mais ou menos uns 14,6 bilhões (Para isso o investimento é auto e sempre aumenta, para a saúde, que recebe apenas 12 bi, a desculpa dada para tudo é a da 'reserva do possível'). Para amaciar a massa, retire do currículo escolar as matérias de Filosofia e cidadania, mas deve ser no ponto certo, que é a partir dos 7 anos de idade da criança. Exclua o ensino religioso e adicione muita orgia e consumo de drogas sustentado pelos próprios ocupantes das cadeira mais importantes na coordenação do país. A partir daí é só dar pão e circo a cada 4 anos. Está preparada a lavagem cerebral em massa.
   Ainda tem gente com coragem de reclamar da situação que está, jogando a culpa na má administração do território e das políticas privadas... Foram suas próprias escolhas. Os governantes são o espelho da nação, não é?

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Todo casal deveria ler

"Por mais que o poder e o dinheiro tenham
conquistado uma ótima posição no ranking
das virtudes, o amor ainda lidera com folga.
Tudo o que todos querem é amar.
Encontrar alguém que faça bater forte o
coração e justifique loucuras.

Que nos faça entrar em transe, cair de quatro,
babar na gravata.

Que nos faça revirar os olhos, rir à toa,
cantarolar dentro de um ônibus lotado.
Depois que acaba esta paixão retumbante,
sobra o que? O amor. Mas não o amor
mistificado, que muitos julgam ter o poder
de fazer levitar.

O que sobra é o amor que todos conhecemos,
o sentimento que temos por mãe, pai, irmão,
filho. É tudo o mesmo amor, só que entre
amantes existe sexo.
Não existem vários tipos de amor, assim como
não existem três tipos de saudades, quatro de
ódio, seis espécies de inveja.

O amor é único, como qualquer sentimento, seja
ele destinado a familiares, ao cônjuge ou a Deus.
A diferença é que, como entre marido e mulher
não há laços de sangue, a sedução tem que ser
ininterrupta. Por não haver nenhuma garantia de
durabilidade, qualquer alteração no tom de voz
nos fragiliza, e de cobrança em cobrança
acabamos por sepultar uma relação que poderia
ser eterna.

Casaram. Te amo prá lá, te amo prá cá. Lindo,
mas insustentável. O sucesso de um casamento
exige mais do que declarações românticas.

Entre duas pessoas que resolvem dividir o mesmo teto, tem que haver muito mais do que amor, e às vezes nem necessita de um amor tão intenso.

É preciso que haja, antes de mais nada, respeito.
Agressões zero. Disposição para ouvir argumentos alheios. Alguma paciência.

Amor, só, não basta.

Não pode haver competição. Nem comparações.

Tem que ter jogo de cintura para acatar regras
que não foram previamente combinadas.

Tem que haver bom humor para enfrentar
imprevistos, acessos de carência, infantilidades.


Tem que saber levar.
Amar, só, é pouco.
Tem que haver inteligência.

Um cérebro programado para enfrentar
tensões pré-menstruais, rejeições, demissões
inesperadas, contas pra pagar.

Tem que ter disciplina para educar filhos, dar
exemplo, não gritar. Tem que ter um bom psiquiatra. Não adianta, apenas, amar.

Entre casais que se unem visando a longevidade
do matrimônio tem que haver um pouco de
silêncio, amigos de infância, vida própria, um
tempo pra cada um. Tem que haver confiança.

Uma certa camaradagem, às vezes fingir que não viu, fazer de conta que não escutou.
É preciso entender que união não significa, necessariamente, fusão.
E que amar, "solamente", não basta.

Entre homens e mulheres que acham que o amor
é só poesia, tem que haver discernimento, pé no
chão, racionalidade. Tem que saber que o amor
pode ser bom, pode durar para sempre, mas que
sozinho não dá conta do recado. O amor é grande
mas não é dois.

É preciso convocar uma turma de sentimentos
para amparar esse amor que carrega o ônus da
onipotência. O amor até pode nos bastar, mas ele próprio não se basta.



Um bom Amor aos que já têm!
Um bom encontro aos que procuram!
E felicidades a todos nós!"



(Autor: Arthur da Tavola)

Perder pra mim mesmo é lucro.

   Será que vale de alguma coisa, num relacionamento a dois, se dar e querer dialogar? Por várias vezes me desfiz de tanta coisa só pra não ver meu par chorar. Desfiz até alguns planos, deixei de sair para alguns lugares e dei prioridade á ela.
   Não me arrependo de nada disso, a não ser quando me dei demais e errei, pequei por excesso. Errei por passar noites e mais noites em claro para ouvir os problemas e as alegrias, errei quando dei conselhos e errei quando briguei para o bem dela. Gostaria de ter errado mais, só que mais para o bem dela.
   Andei do lado da rua, abri a porta do carro, dei presentes, mandei cartas, fui cúmplice, mantive segredo, respeitei, saímos e paguei a conta, fiz surpresas, elogiei... enfim, fiz de tudo e não esperei nada. Não que eu não quisesse em troca mas porque não sobrava tanto tempo assim.
   Mesmo com tudo isso, ainda assim, quando errei, foi como se nada disso tivesse existido, foi como se eu só tivesse feito mal e tivesse agido de forma egoísta. Nada valeu a pena por causa de um pouco de vontade de receber um pouco em troca.
  
   Meu conselho é : não se dê mais de 40% para alguém. Se o fizer, não erre de modo algum, e se errar, prepare-se para ouvir muita coisa... muita coisa mesmo. Observe que por mais que tudo passe, os seus amigos e amigas sempre vão esar lá e eles não receebem o tanto que merecem. Antes de tudo, seja amigo do seu par, porém, lembre-se que quando se der demais, a perpetuação dessa amizade vai lhe causar mais danos do que felicidades. Enquanto o tempo passar longe, mate todas as suas esperanças pois eu garanto que na maioria das vezes, se não fizer isso, ela vai matar você bem lentamente. Queira alguém que não queira seu status ou materialidades nem queira isso de ninguém, tudo isso some da noite para o dia.
   Dizem que só se ama uma vez... É verdade... E é verdade também que a dor é porporcional ao amor. Então fica a seu critério o quanto você aguenta de dor.
  Apesar de tudo isto aí, não me arrependo de ter amado ou de querer amar outra vez.... Acho isso muito difícil. Essa é a infelicidade de ter conceitos românticos.


P.S: Só um número mínimo de pessoas vão entender o título e a foto é avacalhada mesmo.

Curto e grosso.

domingo, 26 de setembro de 2010

Tao Te Ching.

  Tao Te Ching é um livro de filosofia oriental, escrito por Lao-Tsé.  O livro é escrito em poesia, a maioria com relação á sabedoria e a prudência.


É um dos pouco livros de filosofia em que se pode pegar no ar o que o autor quer dizer, é bem fácil e bem direto. Além disso, é daqueles livros que são mais práticos do teóricos, mudam a vida do indivíduo que o lê e também prende a leitura de quem gosta do gênero.


As histórias em que o Lao-Tsé ou Lao-Tzu ou enfim, seja lá o nome dele, éque são interessantes também. Dizem que Lao era superintendente judicial dos arquivos imperiais de Loyang. Puto da vida com a vida na corte, Lao decide sair da civilização. Viajando em uma carroça guiado por um boi, antes de sair da cidade, Lao encontra um de seus amigos, o policial Yin-Hsi que pede para que ele, antes de partir, deixasse seus ensinamentos.


Leia o livro e discuta-o aqui!

Os 10 Piores Serial Killers da História - Luis Alfredo Gavarito

   Luís Alfredo Gavarito Cubillos nasceu na Colômbia em 1957. Foi apelidado pela mídia de "A besta". Gavarito andava com um caderno no bolso onde, em 140 linhas, estavam simbolizadas suas vítimas.
   Em 1999 Gavarito confessou estuprar e matar 140 crianças em 5 anos de carnificina. Foram encontrados 114 esqueletos. Os corpos mutilados foram encontrados espalhados por 59 cidades colombianas. As vítimas eram meninos entre 8 e 16 anos de idade. Ainda suspeita-se que ele tenha matado 5 crianças equatorianas.
   A caçada pela "Besta" começou em 1997 quando foram encontrados 36 corpos em decomposição. Inicialmente, a suspeita era de rituais de magia negra, depois de pedofilia ou tráfico de orgãos. Após 18 meses de investigação, Gavarito foi acusado de estuprar uma criança em Villavivencio.
   Gavarito era o mais velho de 7 irmãos. Morava em uma região cafeeira da Colômbia. Lá, era repetidamente espancado pelo pai além de ter sido estuprado várias vezes por dois vizinhos. Aos 21 anos já era alcoólatra grave e já tinha sido tratado de depressão e tendências suicidas. Confessou ter cometido os crimes enquanto estava bêbado. Estudou por apenas 5 anos e saiu de casa aos 16 trabalhando como caixa de loja e vendedor de rua.
   Em 2000 Gavarito foi condenado a 1.853 anos de prisão depois que a polícia achou 25 corpos em decomposição. Os corpos estavam com a garganta cortada, com indicios de estupro e amarramento. Gavarito chocou a opinião pública de Bogotá contando os detalhes do crime, de como amarrava, sodomizava e depois degolava cada vítima.

Saiba negar, respeite mesmo que não concorde...

   Acho que uma das maiores regras da vida consiste em saber negar. Não negar a verdade de ato feito ou tramóia calculada, por mais desastrosas que estas sejam, esta egação estraga a virtude. É ainda mais importante recusar tanto certas tarefas quanto a certas pessoas.


   Há por aí atividades inconvenientes que servem apenas para serem predadoras do precioso tempo que temos. Para ser prudente quanto a isto, não basta não se intrometer em assuntos alheios, é preciso detê-los quando se tratam dos seus.


Vale aquela frase que está bem esquecida: "Não dê aos outros mais do que se dá a você mesmo nem tome dos outros mais do que eles dão a si mesmos." Todo excesso constitui um vício e consequentemente uma fraqueza, principalmente quando se tratando do alheio. Não é preciso concordar para respeitar, é nisso também que consiste a liberdade de expressão. Dessa forma manterá seu preciosíssimo respeito.

Sucesso.

Sucesso não tem outra fórmula a não ser a do conhecimento junto com as intenções nobres, esses garantem a fecundidade do sucesso. Perceba que quando o bom entendimento se une com as más intenções, não se tem aí um belo e fértil matrimônio mas sim, na maioria das vezes (se não em todas), uma violação monstruosa.


O que acontece é que as "intenções malignas envenenam as melhores qualidades". Más intenções auxiliadas por grande conhecimento enganam com maior sutileza mas terminam com grandes desastres. Infeliz da excelência que se entrega á maldade, "conhecimento sem bom senso é loucura em dobro"

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Fenômenos sobrenaturais no Ceará.


Estudantes, a maioria meninas, vivem instantes de apreensão ao entrarem em transe dentro da escola, no Distrito de Cachoeira BR, em Fortaleza, Ceará



AVISO: Se você é uma pessoa impressionável com demônios e coisas sobrenaturais, melhor não ler este post. E se tiver medo da menina do Exorcista (como eu tenho), não continue.


Por: Antônio Carlos Alves

   Um fenômeno paranormal está afetando estudantes, a maioria meninas, da Escola de Ensino Fundamental Eduardo Barbosa no Distrito de Cachoeira BR, no Município de Itatira, cidade localizada no Sertão Central a 220 quilômetros de Fortaleza. O caso está deixando as autoridades do Município sem uma explicação.

    De acordo com depoimentos das vítimas os sintomas são: dores musculares, de cabeça, sufoco no sistema respiratório, no peito, palidez, calafrio, dificuldades para caminhar, náusea, paralisia muscular, aumento nos batimentos do coração, pressão alta, desmaio, inquietação e medo de morrer. O fato está deixando o secretário de Educação de Itatira, Antônio Inácio, preocupado, pois as vítimas, segundo ele, ficam em transe, agressivas e com perda de identidade. Os jovens, entre 11 e 16 anos, depois que voltam ao normal, não conseguem lembrar nada.

    Os familiares, professores e amigos das estudantes, quando estão presentes no momento do fenômeno, ficam apavorados, correm de um lado para outro e precisam agir com rapidez para carregá-las nos braços e levá-las aos hospitais mais próximo em Canindé, Lagoa do Mato e Madalena. A ocorrência começou no último dia 2 e se estendeu por toda a semana. Já atingiu 32 alunas e um estudante. Após o momento de transe, as meninas se recuperam e voltam a conversar normalmente, como se nada tivesse acontecido.

    Para os pais, como não há um diagnóstico para o que está acontecendo, o jeito é acreditar em Deus. Para a auxiliar de serviço da instituição educacional onde se presencia o fato, Francisca Zeneide da Silva, todas as crianças que são dominadas pelo fenômeno agem da mesma forma e, ao retomarem os sentidos, não lembram nada. "Quando acontece com uma, todas ficam em pânico", conta ela. A diretora da Escola Nazaré Guerra, Eliane Dias, situada em Lagoa do Mato, que tem um anexo funcionando na Escola Eduardo Barbosa, local onde estão ocorrendo os fatos paranormais, não esconde o medo de tudo isso e já pensa em buscar solução junto ao Estado e até mesmo um parapsicólogo. "Vamos nos reunir com as autoridades do Município para buscarmos uma solução. Está todo mundo apavorado, nunca tinha presenciado nada igual ao que vi na última sexta-feira, dia 4", disse. Ela autorizou a suspensão das aulas até que seja esclarecido o ocorrido.

Missa

   Para tentar conter o avanço do fenômeno, o padre Guilherme Afonso de Andrade Pessoa foi convidado a celebrar uma missa na própria escola. No momento de oração, o que se viu foi à repetição da cena por diversas vezes. Em uma determinada ocasião, uma aluna, Graziele da Silva, entrou em transe e mudou totalmente a voz. Houve uma grande correria. Essa é a reação que ocorre para quem presencia a cena. A adolescente dizia que estava com medo e pedia para não deixá-la morrer e chorava muito.
    O padre disse que a Igreja é muito prudente em tudo. "É preciso aprofundar bem as coisas, para não dizer palavras sem anexo. A Igreja só emite opinião depois de um estudo aprofundado", disse. O pastor evangélico, José Carlos, de Lagoa do Mato, distrito mais próximo do local dos acontecimentos, acredita que pode ser uma força espiritual que está agindo dentro da escola, já que da unidade educacional, três jovens morreram em acidentes. "Talvez eles estejam vagando precisando de reza".

Estudantes relatam angústia e medo

    Para quem sofre na pele o fenômeno, conta que são momentos angustiantes. De acordo com a estudante Andréia Alves Marcolino, de 16 anos, a "perseguição deste fenômeno é de exato um mês. É tudo muito rápido, começa com um calafrio, depois as mãos ficam trêmulas, os batimentos do coração ficam acelerados, dá sede, um sufocamento toma conta do tórax, as pernas não seguram o corpo e aos poucos vem o desmaio. Quando volto ao normal, não dá para relembrar de nada", relata.

  Um dos garotos que vivenciou o problema, Marlei Alves Marcolino, de 14 anos, diz que os acontecimentos acontecem em série. "Quando tudo começa dá uma dor no peito, um arrepio, uma agitação que dá vontade de correr, gritar e pedir para não morrer. A gente desmaia, perde o sentido e o que é pior fica com a voz conturbada. No dia que aconteceu comigo, a professora disse que mais seis alunas sofreram o mesmo ataque", conta.

    Outra estudante que se emociona e chega a chorar ao descrever a situação é Francisca Diana Lôbo Loiola, de 18 anos. "De imediato dá um nervosismo. Fiquei tonta, bateu um suor frio, a voz fica enrolada e grossa e a força que penetra na mente pede que reze missa e faça orações porque ele não vai ficar satisfeito enquanto não realizar a sua missão. É uma adrenalina muito forte. Estou com muito medo de voltar à sala de aula".

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Coisa confusa!

   A gente percebe... Percebe de longe o absurdo das confusões desse novo mundo, dessa era líquida e dessas ideas construídas na areia, percebe a facilidade com que elas se vão e a facilidade com que elas chegam. Tudo isso acho que todos nós sabemos mas o que ninguém vê é que isso causa alguns traumas em uns, feridinhas em outros, cria novas raivas e novos preconceitos. Isso ajuda a trazer confusão.
   É que é interessante como as pessoas confundem as coisas, como as pessoas costumam confundir e sempre achar que estão certas sem abrir uma brecha se quer para a certeza dos outros. Está aí um bom começo pra isso; O orgulho. As pessoas confundem orgulho com personalidade e não com componente, confudem o execesso dele com certeza e firmeza. Orgulho é bom até a metade das canelas, passando disso, o tubarão cabeça-dura devora.
   Teimosia é uma coisa a mais, esse aí as pessoas confundem com orgulho, pensam que manter uma posição mesmo sendo ela errada e perigosa é prova de que se tem orgulho de si mesmo e que assim está tendo personalidade. É cair degraus em confusões. Teimosia é bom em doses homeopáticas, teimoso é aquele que tenta e tenta até conseguir, é aquele que mesmo com milhões dizendo que vai dar errado ele mantém sua palavra e forças para fazer dar certo por mais que isso vá demorar.
   E que dirá o clássico Amor! Este é confundido sempre com possessão ou paixão. Pensam que amar é fazer sexo ou ter 24 horas do dia a pessoa ao seu lado. Pensam que brigar é falta de amor, mas é na hora da briga que o amor se mostra mais forte! É na hora da dureza, da parte ruim da vida que o amor se mostra de verdade. Amor não mata, é evidente! o problema é que ele dói, mas é aquela dor de quem não quer ver o mal nem o fim. Sabe amar aquele que defende com unhas e dentes não aquele que devora com unhas e dentes.
   Liberdade é diferente de permissividade assim como conceito moral é diferente de ideologia. Há quem viva dizendo que não tem liberdade para nada. A liberdade que querem por aí é a de usar todo tipo de droga e fazer a maior orgia possível sem que isso seja repreendido por nionguém, sem ter que prestar contas a nenhum igual. Pois é a permissividade, tanto da lei quanto da moral. Liberdade é ter poder, é saber usar a permissividade para o seu deleite sem ferir o espaço alheio e quem sabe, até ajudando o alheio.
   Conceitos morais sofrem com o preconceito desmerecido. Dizem que conceitos morais devem mudar e que quem os tem são tolos ou retrógrados, são esses que pensam deste jeito que pensam que conceito moral é tão mutável quando ideologia. Conceitos morais não mudam de formas, mudam apenas de Ângulo e não são tolos... pelo contrátrio, são tão complexos e profundamente ligados á boa convivência, até mesmo a convivência espiritual, que são poucos os que conseguem seguir, por isso, a maioria que nunca tentou ou que é fraca por algum motivo, chama de inútil aquilo que ela não entende ou não consegue acompanhar, coisa típica do ser humano.
   Ideologia é diferente, ideologias mudam, criam-se novas, seguem a cultura, o que não acontece com o conceito moral que não fere nem mata, ao contrário das ideologias. Um bom exemplo de confusão ideológica foram as cruzadas e quem sabe até o movimento Marxista. Ideologias seguem-se hoje e esquecem-se amanhã, talvez elas voltem, talvez não...
   São tantas coisas a se tratar que não valeria a pena continuar, até porque sempre haverá alguém que nao entederá nem metade disto e vão xingar, espernear, agredir, ofender, ser do contra, se meter e questionar. Pessoas tem preguiça de raciocinar e raiva de aceitar algumas verdades e raiva de quem as mostrou e dos que seguem ou simplesmente aceitam alguma verdade. Não sei se o que foi dito é verdade, mas pelo menos para a maioria será, mesmo que seja apenas uma meia verdade. Esta raiva não é um erro tipicamente humano.

Os 10 Piores Serial Killers da História - Gilles de Rais (+ 140 )

                         2º Gilles de Rais (+ 140)

    Gilles de Montemorency, Gilles de Rais ou Gilles de Retz foi herói de guerra francês, lutou junto á Joana D'arc no século XV, na guerra dos cem anos (Inglaterra X França) e era expert em tirar Ingleses da França. O alvo preferido de Gilles eram os meninos, ele os sodomizava, decapitava-os e depois masturbava-se sobre as entranhas das vítimas.
    Era um homem agressivo devido a sua criação dada pelo seu tio Jean Creon, irmão de sua mãe, que o ensinou o narcisimo, o orgulho e soberba. Devido a essa característica, Gilles entrou no exército onde poderia descontar sua fúria nos inimigos. Após duas campanhas ele se casou com Catherine, que era uma nobre da Bretanha, em 1420. Em 1429 nasce a primeira e única filha do casal, Marie mas Gilles dizia que não amava a esposa. Patriu para mais uma campanha onde lutou com Joana D'arc.
    Tudo acabaria em 1440 quando uma investigação levou até Gilles de Rais, que no início de dizia inocente dando a desculpa de que mandava as crianças desaparecidas para a Inglaterra para virarem padres. Depois de um surto de personalidade (que sempre tinha) disse estar arrependido. A frança ficou chocada pois ele era considerado um herói pelo povo.
    No dia 26 de outubro de 1440, Gilles e seus "colaboradores" (queera "bruxas" e alquimistas) foram enforcados e queimados simultaneamente.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Os 10 Piores Serial Killers da História - Pedro Alonso Lopez

    Essa tag foi reservada para mostrar o quanto é bizarro e auto-destrutivo o ser humano, nesse caso por doença ou livre e espôntanea maldade mesmo. Para quem acha que matar por diversão é coisa de filme, é só ler estas postagens, tiradas de e-mails e pesquisas.

    Sem mais delongas, o pior Serial Killer que já vi.

Pedro Alonso Lopez (+ de 300)

   Teve uma infância terrível, filho de prostituta e expulso de casa aos 8 anos, foi recolhido por um pedófilo e sodomizado a força.
   Agiu em três países da América do sul: Equador, Peru e Colômbia. Em 1978 já havia assassinado 100 meninas no Peru. Mudou-se para a Colômbia onde matava três vezes por semana.

  O homem aí ficou conhecido como "Monstro dos Andes" em 1980 quando revelou o túmulo de 53 vítimas que tinha feito no Equador, todas eram meninas entre 9 e 12 anos. Depois de 1993 foi condenado por matar 110 jovens equatorianos e ainda por cima confessou ter matado 240 moças desaparecidas na Colômbia e no Peru.
   Os crimes de Pedro Alonso Lopez ficaram conhecido internacionalmente após uma série de entrevistas de um foto-jornalista de longa carreira chamado Ron Laytner, que o conheceu em 1980  em sua cela na prisão de Ambato.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Rebeldes sem causa. 4º Parte

   Acabados, derrotados pela dor e surpresos com a tragédia os familiares do dois fizeram um enterro simbólico com as cinzas que restaram, no mesmo cemitério, quase na mesma cova. Equanto jogava as cinzas do filho, o pai de Dex olhou para o enterro ao lado e viu a mulher que não vira há anos, a mulher com quem tivera Dexton. Ela o olhava, surpresa, principalmente pelo fato de estarem enterrando no mesmo dia seus filhos que morreram tragicamente.
   O Sr. Floram perguntou para a mulher, quem era que ela estava enterrando e ela responde em prantos:
- Ah Yuri! Aaah Yuri! É a filha a qual tive depois que nos separamos!
- Pensei que você tivesse morrido no parto! - Diz Yuri mais surpreso do que nunca - Por isso me mudei para esta cidade, junto com nosso filho o Dexton!
   Ela, emocionada e assustada com o engano que durou vinte anos responde:
- Mas como? pensei que tivesse me abandonado! Minha finada mãe disse-me que você tinha fugido na noite anterior ao parto, então, magoada e conformada com o acontecido decidi prosseguir minha vida sem tentar encontrar você novamente.
   Ele, igualmente surpreso responde:
- Mas foi ela quem me falou, com lágrimas nos olhos, que você tinha sido internada e que ficou lá por muito tempo e terminou morrendo junto com a criança, dois dias após o parto!
Os dois, sem reação alguma, se olhavam e olhavam para os potes onde estavam as cinzas dos filhos, na mão de cada um, então se deram conta, depois de lagum tempo que tinham perdido os filhos, os quais nunca se conheceram.
- Qual era o nome dela, Delina? -Pergunta Yuri em um tom de curiosidade e dor aos mesmo tempo.
- Era Arven... Um belo nome. não acha
- Acho sim... Acho também que eles deveriam ter se conhecido, afinal, eram irmãos.
Então, sem mais palavras, jogram as cinzas, juntos, em um único túmulo.
   Dois anos depois Yuri e Delina se casaram novamente e as cinzas misturadas de Dexton e Arven já havim sido absorvidas pela terra..

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Da morte ,Metafísica do Amor e Do sofrimento do mundo.

  Livros de autoria do filósofo Arthur Schopenhauer. Neles o autor discorre sobre a morte ( como o próprio título diz), sobre os motivos e dúvidas que temos sobre o amor, em "a metafísica do amor" e sobre o mundo e sua face horrível e traiçoeira, de uma forma bastante pessimista em "do sofrimento do mundo".
   O interessante nesses livros é que, querendo ou não, muita coisa é verdade e você tem duas escolhas: Ou se deprima e se joga de cima do último andar do prédio de sua faculdade ou simplesmente pondera sobre as peripércias da vida.
   Em "Metafísica do amor" Schopenhauer sustenta a teroria de que  "os opostos se atraem". Os argumentos, em sua maioria são compreensíveis, outros são absurdos, beirando o ridículo, sobre isso, é preciso lembrar que as limitações da sua era foram grandes para o que ele escreveu. Usando como argumento alguns fatos biológicos e explicando esses através de sua prórpia teoria ele explica, por exemplo, porque uma mulher muito bela casa-se com um indivíduo feio, grosseiro e fanfarrão. Os românticos vão ficar discordantes e enfurecidos, os depressivos amorosos vão cortar os pulsos e o resto vai rir e ponderar.
  O livro "Do sofrimento do mundo" é mais um addendum do que própriamente uma obra completa. Na obra Schopenhauer toca na filosofia de Sócrates para apoiar um pedaço de sua tese. Ele vê a morte como o "gênio inspirador" ou a "musa da filosofia" e a partir disso passa o que pensa. A parte mais interessante desse adendo é que o autor, de uma forma um pouco indireta, diz que a morte é nossa única certeza mas vivemos toda a vida sem pensar nela de modo algum e quando pensamos, não a pensamos para nós mas para terceiros, como se fossemos imortais, sentimento esse que surge principalmente na jovialidade da vida.
  Bom, depois de ter lido esse livro eu tive certeza de uma coisa: Schopenhauer não teve mulher, e se teve foi uma megera rabugenta, é, ele é simplesmente genial, mas um gênio chato e carrancudo, daí ele não ter tantos amigos e suas aulas serem pouco vistas em relação ás de outros filósofos e teóricos.
  No que diz respeito ás opiniões, essa é uma ótima fonte de discussões sobre inúmeros assuntos pouco pensados ultimamente e uma ótima base argumentativa. Ler este aqui não vai ser tão feliz quanto se pensa mas vai abrir novas ruas nas mentes dos leitores, por isso, leiam e criem suas opiniões.

Rebeldes sem causa. 3º Parte


   Um ano se passou e os dois ainda sonhavam com aquela noite, até que, cansado desses pensamentos nostalgicos, Dex saiu do apartamento e decidiu tomar umas e todas no Plauta's, junto com seus novos, loucos e irresponsáveis amigos.
  Arven, também cansada dos pensamentos e saudades, resolveu ir ao templo budista onde meditava, para ver se conseguia esvaziar a mente. Chegando no templo, acendeu vários incensos e pôs-se a meditar.
  Quanto mais Dex bebia, mais lembrava-se de Arven. Quanto mais fazia sexo com outras garotas e garotos, mais lembrava-se de como tinha sido expetacular aquela noite ocorrida há exatamente um ano. Quanto mais meditava, mais Arven enchia a mente com lembranças da noite estupenda, quanto mais respirava fundo e inalava a fumaça dos incensos, mais se sentia excitada, cada vez mais tinha vontade de fazer sexo com Dex novamente.
  Não aguentando mais toda a pressão, Dex pega o carro e, altamente embriagado e cheio de vontades, pisa fundo no acelerador e pela estrada escura, fazia zig-zag com o carro. Até que, com os reflexos totalmente debilitados, não consegue desviar do caminhão que vinha com tudo em sua direção e bate frontalmente. Com o impacto, Dex morre instantaneamente e o carro pega fogo, carbonizando Dex.
  Arven, já tendo inalado muita fumaça, estava sufocada e acabou morrendo com tanta fumaça nos pulmões. Os incensos continuaram a queimar até que as pequenas brasas encostaram nas cortinas e o fogo tomou conta do ambiente e dentro dessa fornalha estava o corpo inerte de uma garota sedutora porém resignada. Do corpo não sobrou muita coisa, só o que dava para fazer um pouco de cinzas para um enterro simbólico.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Rebeldes sem causa 2º Parte

  Não demora muito e os dois saem aos amassos, quentes,intensos ,com toques em tudo que é parte do corpo. Aos tropeços os dois saem lentamente enquanto esbarravam nas mesas e cadeiras do bar enfumaçado pela maconha. Chegaram até o apartamento minúsculo de Dex onde, já da porta, começaram a despir um ao outro.
- Está precisando de sexo, tio.. está muito enferrujado!- Falou Arven como se já tivesse vasta experiência no ramo.
  Com mais vontade ainda, Dex joga a garota na cama e os dois começam a fazer tudo o que queriam para aquela noite.
  A noite foi longa e prazeroza. Foi a melhor das transas para Dex e a mágica primeira vez inesquecível e inigualável para Arven. Depois daquele dia nunca mais os dois se viram e nem eles mesmo sabiam o porque, só sabiam que queriam se ver. Dex a procurava todos os dias no Plauta's mas nunca a encontrava, Arven o procurava em toda a vizinhança, mas também não obtinha tanto sucesso.
  De tanto se frustrar e se envolver com o ambiente, Dex virou um festeiro garanhão, quase uma máquina de sexo movida a álcool. Arven virou budista e passou a trabalhar assim que parou de frequentar o Plauta's e a vizinhança. Os meses passavam e as angustias de ambos aumentavam exponencialmente. O que não entendiam era porque se gostavam tanto já que só se viram por apenas uma noite e foi tudo tão carnal. No fundo se achavam animais selvagens, assim como fora seu sexo.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Rebeldes sem causa. 1º Parte


Uma das primeiras crônicas da série fixa "Colisão e Colapso".

   O bar Plauta's ficava lotado de jovens ás sextas feiras á noite. O barulho era alto e as orgias eram uma prática banal no recinto, quase uma regra comportamental. O bar ficava no meio de uma vizinhança onde a maioria repudiava esse tipo de coisa, muitos trabalhavam e ao final do dia queriam apenas a paz e o conforto de um travesseiro e alguns lençois. Esse era o caso de Dex, um jovem responsável e trabalhador.
   Dentro do bar acontecia de tudo, desde de pirotecnia até sexo explícito á três ou mais, as bebidas pareciam inesgotáveis e os fígados de quem as bebia, em quantidade absurda, parecia ser indestrutível. Arven era uma moça que adorava esse tipo de coisa. Numa noite singular, onde sua chama sexual ardia mais do que nunca e sua sede por álcool era insaciável, ela resolveu dar um pulo no Plauta's para estabilizar seus hormônios do melhor modo que encontrou; sexo e álcool. Arven era virgem, embora gostasse do ambiente devasso, queria sexo com um bom rapaz.
   Era tarde e o barulho era insuportável. Dex estava destruído e mal conseguia pregar os olhos. O barulho era tão intenso que fazia tremer as janelas de seus quarto. Com os tímpanos em frangalhos e o corpo pior ainda, Dex desceu de seu apartamento e foi até o bar. Chegando na porta avistou um grupo de jovens que estava chegando. Porcurando quem era o líder da horda, avistou uma jovem com cabelos longos e coloridos apenas em um lado da cabeça, piercing no rosto, calça preta muito apertada e seios quase exposto, esmagados pelo sutiã muito apertado, pensou: "Ela é a líder!". Se aproximou e disse:
- Querem por favor parar com esse barulho? ou será que terei que chamar a polícia para acabar com suas orgias?
Ao que a jovem loira cheia de piercings respondeu:
- Calma tio!, tá estressado? vem curtir ué? se não pode com eles, junte-se a eles!
 Indignado mais com o termo "tio" do que com a resposta em si, Dex entrou a toda no bar, enquanto a jovem, com medo de que o rapaz conseguisse acabar com festa, correu atrás dele. Encontrando-o e segurando-o pelo braço ela perguntou
- Calma! qual é seu nome, cara? -e ele respondeu:
- É Dexton e não me chama de tio! sua porta alfinetes, tenho quase sua idade!, 19 anos!
- Ih! porta alfinetes, é, velhote? quem desdenha quer comprar! bem que você queria um porta alfinete desses em sua casa, mas acho que você não tem "taco" nem "potência" pra isso... se é que você me entende...- Respondeu a jovem com um pouco de surpresa e audácia.
 Com raiva e com os nervos mais a flor da pele do que já estavam, ele pergunta para a jovem:
- É mesmo? e qual é seu nome, senhora tesão?
- É Arvem, tio - Ela responde com desdém e frizando bem o termo "tio".
Com muita rapidez ele a puxa pelo pescoço e a beija intensamente.

Autor: Hugo Belmonte

domingo, 25 de abril de 2010

Comentário Anti-Rebolation

   Indicações e contra-indicações.:

~>Se você for mais um fã idiota e alienado desta "obra" (note as aspas...) chamada rebolation, com toda a certeza você não irá gostar do comentário.

~>Se você desejar discutir como um adulto sobre este assunto, por favor assista e vídeo e comente.

~>Se voê for mais um mané sem Q.I ou maturidade suficiente para aceitar a realidade, por favor se retire.

~>Se você é o mané da indicação acima e ainda continua aqui pois deseja me xingar, expor algum erro meu e tentar avacalhar o sistema, devo lembrá-lo que lugar de criança é na escola e não absorvendo bosta e falando tolices.

~>Se você ainda continua a achar que isso é música, por favor, estude história da música e veja seu conceito em algum livro decente.

~>Se você é dançarino, diz que isso serve apenas para "Pegar mulher", afirmo uma coisa: Na minha opinião, isso é mais gay do que ser gay, rebolar o traseiro nessa espécie de dança do acasalamento baiana, pra mim, não passa de uma tentativa frustrada de sedução física, já que a inteligência se foi antes mesmo de você se dar como gente. Balançam a bunda suada para substituir o pênis, que já foi extinto por causa do uso excessivo de bombas e hormônios.

~> Se não tem nada para falar, concorda e não quer falar mais nada, não concorda e não quer falar, então, que bom.




Comentário:

Anti-Rebolation

quarta-feira, 24 de março de 2010

Pink Freud.



Eu ri...

Período do pão com bosta.

Tá aí o período do pão com bosta. A real utilidade disso pra vocês que lêem eu não sei, mas pra mim vai ser rir um pouco e jogar meus estresses (principalmente emocionais) em algum canto. É Pão com Bosta .
  Estou sem tempo e paciência para escrever qualquer coisa, não estou nem um pouco afim de pesquisar e muito menos de debater nada, então, premio vocês com minha pseudo ausência autoral e os deixo com um belo pão recheado de um bom prato de bosta.

terça-feira, 16 de março de 2010

Conhecimento X Inteligência X Sabedoria.

   Entre todos esse assuntos há sempre uma confusão. Primeiramente, tudo o que vou dizer  não é fruto de nenhum estudo científico (jà me reclamaram antes sobre isso), nem li nenhum filósofo, ou coisa parecida, que venha a falar sobre isso nessa visão.

   Todos (Ou a maioria) tem conceitos similares em relação aos três elementos citados no título, como se todos fossem sinônimos, coisa que não é verdade. Primeiro vejamos o que é conhecimento; numa visão mais simplista, Conhecimento é tudo aquilo que algum indivíduo absorveu durante um tempo, podendo ser empírico ou instintivo.
   Conhecimento é a fonte mais poderosa de poder de todos os tempos e vai continuar sendo enquanto a humanidade existir. Digo poder como forma de dominação, como exemplo disso temos a dominação cultural de uma nação por outra, que é mais devastador do que uma guerra de fogo contra fogo. Alguns filósofos (cujos nomes esqueci por serem feios e impronunciáveis) mostram o Conhecimento como parte do homem desde seu nascimento, ficando adormecido ao entrar no convívio social, o qual aliena e faz com que o indivíduo "esqueça" de tudo e tenha que aprender novamente com novos moldes.
   De acordo com outros como o Dalai Lama, conhecimento sem utilidade não é virtude. Isolando-o com seu uso totalmente científico isso não passaria de meras informações de certo modo aleatórias.

  Ao falar de inteligência rapidamente ligamos seu conceito ao de conhecimento como o de quantidade de informação que o sujeito possui. Canso de ver pessoas dizerem que "Veloso é muito inteligente, sabe de tudo!" (Veloso será o mais novo mascote do blog). Inteligência, olhando profundamente pra ela, nada mais é que o uso, a aplicação do conhecimento, ou seja, por maior que seja seu conhecimento sendo ele sem aplicação por você mesmo, pode-se considerá-lo como "burro" a grosso modo. Filosoficamente falando (com mais autores de nomes assustadoramente impronunciáveis) pode-se considerar a Inteligência, de modo geral, como astúcia, de forma boa ou ruim. Como exemplo clássico disso (Abstraiam toda a questão relativizante do exemplo e se foquem no extremamente estrural dele) ; quem fez todo o projeto da bomba atômica tinha o Conhecimento mas não a Inteligência (que nesse caso foi usada para fins odiosos) do uso da bomba.
  Ao contrário do que se pensa, Inteligência não se mede como se faz com o Conhecimento.

  Em relação á Sabedoria tudo complica um pouco mais. Sabedoria é o uso da Inteligência. Não é tão simples como seu "conceito" explana, Sabedoria exige muito mais de Espírito do que qualquer outra virtude do raciocínio ou da mente abragentemente falando. Ser sábio não é simplesmente falar em enigmas (como o mestre dos magos faz) nem viver numa caverna, cabeludo, comendo minhocas e dormindo com a cabeça em cima de um pedra (como es sábios de filmes medievais). Sabedoria é o uso da Inteligência visando o crescimento espiritual seu e de seu interlocutor. Platão e Sócrates concordam que Sabedoria apenas os deuses possuem e que aos Homens cabe apenas serem amigos do saber (Philo Sophia).
  Obeserve que; Saber é diferente de Conhecer. Quem conhece muito tem muito Conhecimento, que sabe de muitas coisas tem muita Sabedoria . Conhecimento pode ser usado para o mal, Sabedoria nunca pode ter esse fim, pois perde a essência de espírito elevado tornando-a apenas conhecimento qualquer.


   Enfim, essas são as diferenças entre esses assuntos tão distintos porém fortemente interligados, quem entendeu ótimo, és um sábio conhecedor e quem não entendeu vai morrer na ignorância absurda! (brincadeira! não teve graça ¬¬)

domingo, 14 de março de 2010

Nas Planícies De Jiddah.


   Eramos templários, eu, Saint-Fray e Kart. Todos participavamos das cruzadas contra os demônios mulçumanos, para reconquistar a terra prometida de Jerusalém, todos juntos. Eu fazia parte de um pequeno regimento, um batalhão chamado "Os cruzados de Ricardo", Ricardo coração de leão. Posteriormente, Kart e Fray foram trasferidos para essa "tropa". Nessa divisão eramos todos esgrimistas sublimes. Talvez tivessemos mais lealdade á Ricardo do que ao Papa.

   Lembro-me de uma das minhas mais emocionantes batalhas ao lado de Fray e Kart. Foi numa planície perto de uma província árabe chamada Jiddah, ponto estratégico de nosso interesse. Chegamos lá depois de 2 meses de viagem á cavalo, eramos pouco mais de 600 cruzados. Montamos campana ao lado de cavernas onde podiamos dormir tranquilos, lembro de Saint Fray ter me dito: "Reze virado para medina, Leon, é de lá que os ratos virão." e lembro-me de ter dito: "Repouse tranquilo, a Santa Cruz está do lado de quem vai vencer" Kart disse logo após meu comentário: "Maldito do homem que não suja sua espada de sangue, está escrito em Macabeus, meu caros." Não foi muito reconfortante, mas foi animador este último comentário. Nos deu mais sede de batalha.

   Logo pela manhã, um dos nossos mensageiros, Flávio, voltou com a notícia "Os Mulçumanos estão a 1 quilômetro daqui". Era quase um efeito surpresa. Naquelas horas eles deveriam estar a pouco menos de 700 metros de nosso acampamento. Quem os liderava era Salah Al-Adin, ou Saladino, como o chamavamos. Ele é um ótimo estrategista, já havia nos vencido em várias batalhas. Ricardo acordou atordoado com a notícia e esbravejou e praguejou contra os mulçumanos.

   Nos preparamos ás pressas para a batalha, mal estávamos em formação e já ouviamos os gritos de guerra dos nossos adversários. Flechas começaram a cair, uma delas passou muito perto de mim, pude sentir o vento e o som da flehca no ar, o que me instigou bastante para um combate sanguinário. Fray não teve a mesma sorte, a flecha o atingiu bem em seu braço direito, na altura um pouco abaixo do ombro. Infelizmente, ele era destro e não pode usar a mão direita para atacar, o que o expôs bastante porque só pode usar o braço esquerdo e não pode carregar o escudo.

   Não hesitei em dar assistência a Fray, mesmo sendo difícil cuidar de você mesmo e de um soldado ferido em uma batalha como essa. Kart estava conosco, formando um círculo de ataque e defesa mútua, um de costas para o outro dando assistência em visão e defesa. Desordenados e atormentados, os outros cruzados morriam um atrás do outro. Foi realmente um ataque feroz, o sangue dos árabes é quente, fervente!. Todos os nossos com sono e fome enquanto so mulçumanos estavam alimentados e dispostos, realmente uma tática brilhante.

   Metade do dia de batalha e agora os cavalos, ágeis e mortais, dos mulçumanos faziam ataques sequenciados, o que debilitou nossas defesas, eles vinham em uma onda de ataques fortes e impiedosos. Foi em um desses ataques que fui golpeado com bastante força, bem na cabeça, o que me fez desmaiar por um pequeno período, talvez alguns minutos. Kart disse que sangrei muito mas o ferimento estancou rápido, o que parecia um milagre para ele... Nesse meio tempo, Fray foi atingido de novo, só que dessa vez um Mulçumano o atingiu em cheio no peito fazendo Fray cair sem chance alguma de defesa, quase morto. Acordei. O dia estava acabando e a batalha também. Levantei-me e o ódio levantou comigo, matei com um ímpeto profano 8 infames, com total adrenalina. Vi Fray quase morto e Dalbot Kart com uma flecha enfiada na perna e um corte profundo nas mãos, Tentei ajudá-los levando-os para dentro de uma das cavernas ao lado do nosso acampamento, mas aqueles sim são verdadeiros cavaleiros, preferiram continuar lutando.

   O dia foi acabando e os mulçumanos foram derrotados e bateram em retirada. No fim do dia tinhamos perdido mais da metade de nossos homens e exatamente 120 deles estavam feridos, entre ele Kart, Fray que estava gravemente ferido e eu com a cabeça sangrando. Não sei como ganhamos essa batalha se tinhamos apenas 112 homens ainda aptos (Porém desordenados e atordoados pelo impacto do ataque) para batalhar contra um pouco mais de 200 guerreiros mulçumanos... Acho que na verdade fomos poupados.
 
 
Autor: Hugo Belmonte.

quinta-feira, 4 de março de 2010

A Saudade...

Trancar o dedo numa porta dói.
Bater com o queixo no chão dói.
Torcer o tornozelo dói.
Um tapa, um soco, um pontapé, doem.
Dói bater a cabeça na quina da mesa, dói morder a língua,
Dói cólica, cárie e pedra no rim.
Mas o que mais dói é a saudade.

Saudade de um irmão que mora longe.
Saudade de uma cachoeira da infância.
Saudade de um filho que estuda fora.
Saudade do gosto de uma fruta que não se encontra mais.
Saudade do pai que morreu, do amigo imaginário que nunca existiu.
Saudade de uma cidade.
Saudade da gente mesmo, que o tempo não perdoa.
Doem essas saudades todas.
 
Mas a saudade mais dolorida é a saudade de quem se ama.
Saudade da pele, do cheiro, dos beijos.
Saudade da presença, e até da ausência consentida
.
Você podia ficar na sala e ela no quarto, sem se verem, mas sabiam-se lá.
Você podia ir para o dentista e ela para a faculdade, mas sabiam-se onde.
Você podia ficar o dia sem vê-la, ela o dia sem vê-lo, mas sabiam-se amanhã.

Contudo, quando o amor de um acaba, ou torna-se menor,
Ou quando alguém ou algo não deixa que esse amor siga,
Ao outro sobra uma saudade que ninguém sabe como deter.
Saudade é basicamente não saber.

Não saber mais se ela continua fungando num ambiente mais frio.
Não saber se ele continua sem fazer a barba por causa daquela alergia.
Não saber se ela ainda usa aquela saia.
Não saber se ele foi na consulta com o dermatologista como prometeu.
Não saber se ela tem comido bem por causa daquela mania
De estar sempre ocupada;
Se ele tem assistido às aulas de inglês,
Se aprendeu a entrar na Internet
E encontrar a página do Diário Oficial;

Se ela aprendeu a estacionar entre dois carros;
Se ele continua preferindo Malzebier;
Se ela continua preferindo suco;
Se ele continua sorrindo com aqueles olhinhos apertados;

Se ela continua dançando daquele jeitinho enlouquecedor;
Se ele continua cantando tão bem;
Se ela continua detestando o MC Donald's;
Se ele continua amando;
Se ela continua a chorar até nas comédias.
 
Saudade é não saber mesmo!
Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos;
Não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento;
Não saber como frear as lágrimas diante de uma música;
Não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche.
 
Saudade é não querer saber se ela está com outro, e ao mesmo tempo querer.
É não saber se ele está feliz, e ao mesmo tempo perguntar a todos os amigos por isso...
É não querer saber se ele está mais magro, se ela está mais bela.
Saudade é nunca mais saber de quem se ama, e ainda assim doer;
 
Saudade é isso que senti enquanto estive escrevendo e o que você,
provavelmente, está sentindo agora depois que acabou de ler...


Autor: Miguel Falabela

quarta-feira, 3 de março de 2010

Série; Os Supersoldados que superam o Rambo. Simo Häyä.

Simo Häyä
   Simo Häyä tinha uma vida bem entediante na Finlândia. Ele serviu um ano mandatório no exército, e então se tornou fazendeiro. Mas quando a União Soviética invadiu sua terra natal em 1939, ele decidiu que queria ajudar seu país. Já que a maioria das lutas ocorriam nas florestas, ele achou que o melhor jeito de impedir uma invasão era pegar seu rifle de confiança, duas latinhas de comida e esconder-se em uma floresta o dia inteiro, atirando em russos. Sob dois metros de neve. E 20-40 graus abaixo de zero.
   É claro que quando os Russos ouviram que dezenas de seus homens estavam sendo apagados, e que era só um cara com um rifle, eles ficaram assustados pra caralho. Ele ficou conhecido como a “Morte Branca” por causa de sua camuflagem branca, e eles chegaram a montar missões inteiras apenas para matar esse único cara. Eles começaram mandando uma força especial para achar Häyä e matá-lo. Ele matou a todos eles. Então eles tentaram juntar um grupo de counter-snipers (que são basicamente snipers que matam snipers) e os mandaram para eliminar Häyä. Ele eliminou todos também.
   No decorrer de 100 dias, Häyä havia matado 542 pessoas com seu rifle. Ele derrubou mais 150 com sua metralhadora SMG, mandando sua contagem de corpos para mais de 705, um recorde universal que dificilmente será ultrapassado nessa nossa realidade.Já que todos os homens que eles tinham estavam ou muito assustados, ou muito mortos para chegar perto dele, os russos decidiram simplesmente bombardear todos os lugares onde acharam que ele poderia estar. Supostamente eles acertaram o local, e ele foi atingindo por uma nuvem de fogo que destruiu suas vestimentas e tudo ao seu redor, mas não o matou, por que ele é a maldita Morte Branca, é claro.
   Finalmente em 6 de Março de 1940, algum bastardo de sorte acertou Häyä na cabeça, com uma bala explosiva. Quando os outros soldados o encontraram e o levaram para a base, ele “tinha perdido metade da cabeça”. A Morte Branca havia finalmente sido abatida…
   (…) por mais ou menos uma semana. Apesar de ter sido diagnosticado com um caso severo de síndrome de-tiro-no-meio-da-cara, ele ainda estava bastante vivo e recuperou a consciência em 13 de Março, o mesmo dia em que a guerra acabou, Simo Häyä morreu em 2002, em sua casa, anos depois do seu “acidente”.




Tudo extraído de: Cogumelo louco.

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Diablo Swing Orchestra.

                       
       Diablo Swing Orchestra - Sing Along Songs For The Damned & Delirious


CD novinho da banda! Muito bom, por sinal, melhoraram ainda mais o som, principalmente pra quem gosta dessas misturebas.



Diablo Swing Orchestra – Sing-Along Songs for the Damned and Delirious


Track List:
01.: A tap dancer’s dilemma (5:12)
02.: A rancid romance (4:27)
03.: Lucy fears the morning star (6:34)
04.: Bedlam sticks (3:29)
05.: New world widows (5:56)
06.: Siberian love affairs (0:58)
07.: Vodka inferno (4:08)
08.: Memoirs of a roadkill (3:30)
09.: Ricerca dell’anima (5:34)
10.: Stratosphere serenade (8:25)

Download: http://rapidshare.com/files/288305404/0852.rar

Mais Informações:
País: Suécia
Estilo: Avant-Garde Metal
Site Oficial: http://www.diabloswing.com/

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Um Experimento Comunista.

   Um professor de economia na universidade Texas Tech disse que ele nunca reprovou um só aluno antes, mas tinha, uma vez, reprovado uma classe inteira.
   Esta classe em particular tinha insistido que o socialismo realmente funcionava: ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e 'justo. '
  O professor então disse, "Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas."
   Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam 'justas. ' Isso quis dizer que todos receberiam as mesmas notas, o que significou que ninguém seria reprovado. Isso também quis dizer, claro, que ninguém receberia um "A"...
   Depois que a média das primeiras provas foram tiradas, todos receberam "B". Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.
   Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos - eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Portanto, agindo contra suas tendências, eles copiaram os hábitos dos preguiçosos. Como um resultado, a segunda média das provas foi "D".
   Ninguém gostou.
   Depois da terceira prova, a média geral foi um "F".
   As notas não voltaram a patamares mais altos mas as desavenças entre os alunos, buscas por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe. A busca por 'justiça' dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala. Portanto, todos os alunos repetiram o ano... Para sua total surpresa.
   O professor explicou que o experimento socialista tinha falhado porque ele foi baseado no menor esforço possível da parte de seus participantes.
Preguiça e mágoas foi seu resultado. Sempre haveria fracasso na situação a partir da qual o experimento tinha começado.
   "Quando a recompensa é grande", ele disse, "o esforço pelo sucesso é grande, pelo menos para alguns de nós.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Série; Os Supersoldados que superam o Rambo. Yogendra Singh Yadav

 
                                                  Yogendra Singh Yadav                               

   Yogendra Singh Yadav era um membro do batalhão granadeador indiano, durante o conflito em Paquistão em 1999. A missão deles era escalar a “Colina do Tigre” (uma montanha foda), e neutralizar os 3 abrigos inimigos no topo. Infelizmente, isso significava subir a montanha enorme de puro gelo. Como eles não queriam subir tudo aquilo com picaretas de gelo, eles decidiram que iriam mandar um cara até lá, e ele iria descer as cordas, para que todo mundo pudesse subir do jeito mariquinha.
   Yadav tendo culhões de aço, se voluntariou
   Metade do caminho pela subida do inferno gelado, inimigos se posicionaram numa montanha adjacente, e abriram fogo, atirando neles com RPG (lança-mísseis), depois fuzilando com rifles de assalto. Metade do seu esquadrão foi morto, incluindo o comandante, e o resto se espalhou totalmente desorganizados. Yadav, apesar de ter sido baleado 3 vezes, continuou escalando..
    Quando ele atingiu o topo, um dos abrigos inimigos que era o alvo, abriu fogo contra ele com metralhadoras. Yadav correu em direção da chuva de balas, atirou uma granada pela janela e matou todos lá dentro. A essa altura, o segundo abrigo tinha uma mira limpa e abriu fogo, então ele correu até eles, absorvendo todas as balas enquanto fazia isso, e matou quatro homens fortemente armados, com as mãos vazias.
   Enquanto isso, o restante de seu batalhão estava parado olhando para ele e dizendo “cara, puta que pariu!” Então todos foram juntos e renderam o terceiro abrigo sem problemas.
   Por sua proeza e quantidade de culhões, ele foi condecorado com o Param Vir Chakra, o maior prêmio militar da Índia. Diferente da Medalha de Honra dos EUA, o Param Vir Chakra só é dado para os mais “raro dos raros soldados que vai além do dever patriótico e que em vida normal seria considerado impossível de se obter.” Exatamente, você precisa quebrar as leis da realidade só pra que se torne possível possuir a medalha.
   Somente 21 pessoas foram condecoradas com ela, e dois terços morreram no processo. No começo havia sido reportado que Yadav também havia morrido, mas parece que eles o confundiram com alguém menos fodásico. Ou eles apenas deduziram que nenhum ser humano poderia sobreviver uma perna quebrada, um braço destroçado e 10-15 buracos de balas em carne fresca, de uma só vez.


PS: Ele tinha apenas 19 anos na época em que fez todas essas proezas dignas de um ciborgue programado para matar.

P.P.S: Bate nessa tora, Chuck Norris.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Poltergeist.

   A noite estava num agito monótono, então decidi sair para andar no bosque ao lado de casa, só para adimirar a fauna local. Comecei minha jornada ás 10 da noite. Andei vagarosamente. senti o cheiro de todas as plantas e senti os espinhos de uma bela rosa espetarem miha perna esquerda, abaixei-me para pega-la. Na verdade, a deixei lá, deixei-a viver para enfeitar o lugar. Era melhor do que deixa-la morrer em minha estante cheia de livros empoeirados.
   Ao olhar para o horizonte pude notar uma chaminé no cume de uma colina. Lembro-me desta colina. Quando era criança, costumava brincar pelos arredores e ouvia de um e de outro a lenda de que a casa daquela colina era assombrada, então, ficou conheciada como; A casa poltergeist pois todos que lá entravam saiam atordoados, atônitos com medo da própria sombra. Não acreditei em nada disso, mesmo assim, batia um medo terrível á porta do meu coração.
   Resolvi entrar na casa, só por curiosiadade e autoafirmação. Abri a velha porta, havia muitos quadros, na maioria quadros surrealistas. Arte para todos os gostos, livros dos mais variados temas, em sua maioria, da escola do Realismo. A casa inteira, na parte de dentro, era cercada de espelhos, tantos que mal dava para ver a cor das paredes. Ouvi uma voz que chamava suavemente o meu nome, era uma voz feminina. Então a vi. Não tinha face alguma mas podia notar que me olhava docemente, fazendo meu libido ir até os confins. Eu sabia que não podia me render a ela. Tudo o que vinha a minha mente eram meus medos e desejos ocultos, dos mais excitantes aos mais desanimadores.
   Tudo vinha á tona. Esse possível fantasma sedutor me fazia tremer até nos cabelos. saí correndo feito um louco, não! eu estava realmente louco, eu pude, por uma hora, entender minha mente e pude ver toda minha vida e minhas ações, só que do lado de fora, com os olhos da sanidade.
  Todos aqueles medos, aquela dor lacerante e os instintos aflorando ao mesmo tempo... Não havia fantasma algum, era só eu mesmo, com todas as mazelas adquiridas durante a vida e "evolução". era o retrado da mente do Homo sapiens, uma fotografia da pseudodivindade antropocêntrica, oculta, espreitando e esperando só um momento para devorar quem vem aos arredores. Este é o pior fantasma, a assombração dos próprios instintos humanos. O Demônio somos nós mesmos, os chacais da nossa própria raça desunida. É preciso a virtude de um santo para não sucumbir á vinda desse poltergeist


Por: Hugo Belmonte.

sábado, 30 de janeiro de 2010

Série; Os Supersoldados que superam o Rambo. Jack Malcolm

                                                            Jack Malcolm.


  Um comandante aliado na Segunda Guerra Mundial, e um ávido fã de surfe. Capitão Jack Malcolm Thorpe Fleming Churchil, também conhecido como “Lutador Jack Churchil” e “Jack Insano” era basicamente o desgraçado mais doido de toda a guerra.
   Ele se voluntariou para uma missão, não sabendo ao certo no que se envolveria, mas sabendo que parecia perigoso e portanto, divertido. Ele era conhecido por dizer que “Qualquer soldado que entrar em ação sem sua espada está vestido impropriamente.” E sempre levava sua espada para a batalha – no meio da Segunda Guerra… E não era uma daquelas espadinhas gays que os oficiais da Marinha possuíam. Jack carregava uma porra de uma Claymore (espada escocesa usada com as duas mãos), sendo que ele a usava na guerra…
   Ele capturou um total de 42 Alemães e um esquadrão de morteiro, durante a noite, usando apenas sua espada. Simplesmente usando um corpo de um soldado inimigo e sorrateiramente indo de um posto de vigia até o outro e enfiando sua espada na cara de cada soldado.
   Quando indagado como havia conseguido aquilo, ele disse: “Eu matenho que, contanto que você diga para um alemão, alto e claro o que fazer, se você for mais velho que ele, ele resmungará ‘jawohl’ (sim, senhor) e fará o que você disse com entusiasmo e eficácia, independente da situação.”
   Também famoso por aparecer de surpresa em campos alemães, montando uma motocicleta e usando nada além de um arco-e-flecha e sua espada, e estuprando o campo inteiro. Ou ainda por resgatar um soldado britânico de uma emboscada, mesmo depois de ter sido atingido no pescoço por uma metralhadora montada.
   Após ser enviado para um campo de concentração, ele ficou entediado e saiu. Simplesmente caminhou pra fora. Eles o pegaram de novo e o mandaram para um novo campo. Então ele saiu de novo. Depois de caminhar 150 milhas com apenas latas enferrujadas de cebolas como comida, ele foi pego por americanos e enviado de volta para a Inglaterra, chegando lá ele exigiu ser enviado novamente ao campo de batalha, apenas para descobrir (com grande decepção) que a guerra havia terminado enquanto ele estava no caminho até lá. Como ele disse para seus amigos depois “Se não fosse pelos malditos ianques (americanos), nós poderíamos manter a guerra por mais 10 anos!”

P.S: Gostei do saiote escocês dele.
P.P.S: Uso a claymore como canivete.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Série; Os Supersoldados que superam o Rambo. Alvin York.

                                           Alvin York.
   Nascido em uma família de fazendeiros caipiras do Tennessee, Alvin York passou a maior parte de sua juventude ficando podre de bêbado e entrando em brigas nos bares. Quando seu amigo morreu em uma dessas brigas, ele largou a birita e se tornou um pacifista. Ele foi chamado para servir, tentou evitar, mas foi enviado para o treinamento básico.Um ano depois, ele era um dos 17 homens designados para se arrastarem furtivamente e tomar um acampamento fortificado com artilharia pesada (metralhadoras), guardando uma rodovia Alemã. Conforme se aproximavam, os atiradores os enxergaram e abriram fogo, destroçando nove deles em pedaços.
   Os poucos sobreviventes que não possuíam culhões de ferro entre suas pernas, fugiram, deixando York parado lá, sob fogo de 32 metralhadoras pesadas.Como ele contou mais tarde em seu diário; “Eu não tinha tempo para desviar por trás de árvores, ou mergulhar em arbustos, nem para me ajoelhar ou deitar. Não tinha tempo para fazer qualquer coisa, a não ser assisti-los atirando e lhes dar o melhor que eu podia. No começo, eu estava atirando deitado, como costumávamos atirar nas partidas de tiro ao alvo do Tennessee. Era a mesma distância, só que com alvos maiores. Naquele momento, eu não podia errar o corpo ou cabeça de um alemão. E eu não errei.”
   Depois de matar mais ou menos 20 homens, um Tenente alemão, mandou 5 caras juntos, para tentar matá-lo pelos flancos. York puxou seu revólver Colt .45 (que só tinha 8 balas) e matou todos eles.
   A essa altura o Tenente Paul Jurgen Vollmer gritou perguntando se York era Inglês. Veja que na 2ª Guerra, ninguém realmente levava os americanos a sério, e todos os viam como os novatos. Vollmer deduziu que esse soldado louco/fodástico/cheio de culhões deveria algum tipo de Super Homem Inglês que estava mostrando para os maricas americanos como se fazia. Quando York disse que era Americano, Vollmer replicou “Santo Deus! Se você parar de atirar, eu ordenarei que meus homens se rendam!”Dez minutos depois, 133 homens vieram andando, o que havia restado do batalhão de York. O Tenente Woods, superior de York, no começo achou que era uma emboscada alemã, até ver York que o cumprimentou e disse; “Soldado York se apresentando com prisioneiros, senhor!” Quando o estupefato oficial perguntou quantos eram, York disse “Honestamente tenente, eu não sei…”