terça-feira, 17 de novembro de 2009

Perfeição.

Vamos celebrar a estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja de assassinos
Covardes, estupradores e ladrões
Vamos celebrar a estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso Estado, que não é nação
Celebrar a juventude sem escola
As crianças mortas
Celebrar nossa desunião
Vamos celebrar Eros e Thanatos
Persephone e Hades
Vamos celebrar nossa tristeza
Vamos celebrar nossa vaidade.

Vamos comemorar como idiotas
A cada fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta de hospitais
Vamos celebrar nossa justiça
A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos
O voto dos analfabetos
Comemorar a água podre
E todos os impostos
Queimadas, mentiras e seqüestros
Nosso castelo de cartas marcadas
O trabalho escravo
Nosso pequeno universo
Toda hipocrisia e toda afetação
Todo roubo e toda a indiferença
Vamos celebrar epidemias:
É a festa da torcida campeã.

Vamos celebrar a fome
Não ter a quem ouvir
Não se ter a quem amar
Vamos alimentar o que é maldade
Vamos machucar um coração
Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado de absurdos gloriosos
Tudo o que é gratuito e feio
Tudo que é normal
Vamos cantar juntos o Hino Nacional
(A lágrima é verdadeira)
Vamos celebrar nossa saudade
E comemorar a nossa solidão.

Vamos festejar a inveja
A intolerância e a incompreensão
Vamos festejar a violência
E esquecer a nossa gente
Que trabalhou honestamente a vida inteira
E agora não tem mais direito a nada
Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta de bom senso
Nosso descaso por educação
Vamos celebrar o horror
De tudo isso - com festa, velório e caixão
Está tudo morto e enterrado agora
Já que também podemos celebrar
A estupidez de quem cantou esta canção.

Venha, meu coração está com pressa
Quando a esperança está dispersa
Só a verdade me liberta
Chega de maldade e ilusão.
Venha, o amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera -
Nosso futuro recomeça:
Venha, que o que vem é perfeição
 
 
 
 
  Faz tanto tempo e ainda não desatulizou-se... É incrível como estamos alheios ao que acontece ao nosso redor, mais incrível ainda é não deixar tanta esperança dispersa quando nós mesmo temos fome de tê-la... amor é um caso raro de se encontrar hoje em dia, em todos os âmbitos. Tudo é mais egoísmo, sistematização de sentimentos, improviso de verdades, falta de carinho pelo próximo... Enfim, tantos e tantos querem apenas "o venha a nós".
  Antes ainda era possível ouir um "eu te amo"  com força no coração e sinceridade nos lábios. Nesse tempo (muito tempo atrás) já era raríssimo ver isso, a maioria estava na TV. Hoje 99% está na internet, 0.5% na TV, 0,3% no álcool, 0,1% em sonhos surreiais e o restinho na boca de quem ainda resta um pouco de sinceridade e lealdade.
  Mas quem é que quer ser reto quando o caminho pra isso é tão estreito? não tem  pra que! por que respeitar? Amar um indivíduo é muito difícil, amar dinheiro é mais fácil, ele te proporciona coisas que fazem o caminho estreito parecer um caminho de minas terrestres. A diferença é que no final dos caminhos, o estreito dará num campo aberto onde viver não será uma dádiva fatal, onde Amor continuará com a porta aberta e aesperança estará muito bem dividida, isso se ainda precisarem dela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário